segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Ponto Livro Livre


Por falar em Primavera dos Livros, recebi um texto aqui na editora e pedi autorização para divulgar aqui no blog. Parabéns, Mequita, linda iniciativa!!


Ponto Livro Livre

Sigo com interesse os movimentos de distribuição gratuita de livros nas praças, postos de gasolina, pontos de ônibus, e conheço tb o "book crossing" propondo que o livro encontrado seja inscrito na internet, para acompanharmos o seu curioso percurso.
Gosto de ler e acredito na leitura como instrumento de conhecimento e cidadania.
O "Ponto Livro Livre"começou no café da quadra onde moro em Brasília. O dono do "Café Grão Mestre” disponibilizou o mezanino e, com um grupo de amigos, em 24/02/2007, inauguramos no local um espaço cheio de livros, onde os freqüentadores podem deixar, trocar e levar livros... livremente!
No cardápio e nas mesas, informamos aos clientes a proposta, criamos um selo para identificar o movimento e os livros foram chegando e saindo.
Depois de um ano percebi que havia mais de 900 assinaturas no caderno deixado no local, para que os leitores anotassem o nome e o livro retirado.
O sucesso da iniciativa me animou e criei um pequeno kit do "Ponto Livro Livre" com 50 adesivos, modelo de felipeta com informações, algumas reportagens e links na mídia, atendendo, assim, aos donos dos espaços públicos que me procuravam.
O movimento cresceu, aqui em Brasília, hoje você encontra o "Ponto Livro Livre" na "Confeitaria Francesa", em 3 lojas do "Empada Brasil", no "La Boulangerie", em 2 lojas do "Pão Dourado", na "Sorbê" e no restaurante "Oca Lilá", em Alto Paraíso. Em todos eles, no seu espaço de convivência, uma estante, uma mesa e mesmo um carrinho de chá facilitam a "troca" de livros.
A rede de 16 restaurantes "América", 14 em São Paulo, um em Porto Alegre e um no Rio, também aderiu ao "Ponto Livro Livre" e, numa simpática estante no formato de casinha, recebe e troca livros infantis, nos fins de semana.
Em Campos do Jordão, foi aberto um "ponto" no Mercado Municipal.
A "Escola Teatral Confins Artísticos", aqui em Brasília, também abraçou o movimento, e algumas escolas em SP estão estudando para colocar estantes nos recreios.
Outro "ponto" em SP deve ser aberto numa grande empresa para os seus 4.000 funcionários.
Você, editor ou leitor, com certeza freqüenta um café no seu bairro. Lá poderia ter uma pequena estante onde deixaria seus romances já lidos, podendo tb encontrar outros livros... É prazeroso saber que você, liberando seus livros, está seduzindo novos leitores.
É só escolher alguns livros da sua estante e fazer circular.
Mequita Andrade

pontolivrolivre@gmail.com
Postar um comentário