quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Vírgula

Pronto. Agora estou absolutamente preenchida. Ganhei um lindo poema, da minha querida amiga Mariana, feito por ela pensando em mim.

Vírgula

Não me toca.
Não se atreva, não fala.
Não pergunta.
Principalmente,
não provoca.
Estou em carne viva.

Não me toca.
Não me cobra, pára.
Não assunta.
Pacientemente,
me reserva.
Estou, em carne, viva.

Não me toca!
Não se move, não sai!
Não disjunta...
Secretamente,
me degusta.
Estou em carne, viva.

Beijo, minha querida!
Postar um comentário