quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Quase Memória


Peguei este livro para reler e, por acaso (acaso?), estamos na semana do dia dos pais.

Pra mim, esta história é a declaração de amor mais bela que um filho possa fazer a seu pai.

Quase memória, quase biografia, quase autobiografia, quase romance, que de 'quase' não tem nada. É tudo, inteiro, puro amor. O retrato do pai herói. Lindo lindo...

E mais, é um conhecimento paterno impressionante. Vai do cheiro mais inusitado em determinadas circunstâncias à intimidade no trabalho, passando pelos defeitos mais sutis.

Carlos Heitor Cony escreve Quase Memória dez anos após a morte de seu pai e eu fico imaginando como seria esse pai o lendo, ou melhor, se lendo. Com certeza ele descobriria um afeto e uma cumplicidade no filho que talvez nem sonhasse.

Vale a pena, muita coisa. Aliás, sugeriria até como um belo presente para o dia dos Pais.

Autor: CARLOS HEITOR, CONY
Editora: SUMA DE LETRAS BRASIL
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA
Preço: 39,90
ISBN: 9788573028072
Postar um comentário