segunda-feira, 29 de março de 2010

Cuidado com o que você deseja....

Estava eu semana passada pensando muito num livro. Mas era um pensar totalmente sem memória, do tipo "como eu queria reler um livro que não me lembro nem o nome, nem o autor, nem nada...". Só sabia que se passava na Índia e que falava muito da colonização inglesa. Ah! E que era a saga de uma família, disso também me lembrava!
Pois no dia seguinte fui visitar uma grande amiga e dou de cara com ele! Em sua enorme estante de livros, um título saltou em neon aos meus olhos. Mas ainda assim não tinha certeza se era ele mesmo.
Pedi que minha amiga o retirasse debaixo da pilha enorme de tantos outros, para matar minha curiosidade. E não é que lá estava ele? À minha espera?
Ainda estou na metade, mas quis dividir.

"Quando a gente está perdendo o fôlego, quando aquele sopro que nos impele para a frente já quase se extinguiu, é hora de fazer confissões. Chame-se isso de testamento, ou lá o que seja; o último suspiro da vida. Daí este "eis-me aqui", tendo pregado as sentenças da vida à paisagem, tendo as chaves de uma fortaleza vermelha no bolso, nestes momentos de espera antes da rendição final."
O Último Suspiro do Mouro - Salman Rudshdie

domingo, 28 de março de 2010

O Alibi

Um bom livro para distração. A autora por pouco não se perde na linha da literatura brega, com seus romances avassaladores e dramáticos. Mas ela dá a volta no entorno dessa linha e cria outra mais inteligente, fazendo desse suspense um livro bom de devorar.
A cidade é mínima. Todas as pessoas, ou se conhecem, ou já tiveram algum tipo de relacionamento ou, na melhor das hipóteses, sabem da vida alheia como toda cidade pequena deve ser.
Mas o crime acontece na mais alta e corrupta casta, onde qualquer um poderia ter sido capaz de cometê-lo.
Nosso promotor é um cara íntegro, com valores rígidos, e se vê no meio de uma conspiração que o faz perder a ética a cada meia hora, o que, é claro, abala sua estrutura emocional. Valendo-se disso, as personagens ao redor se criam, ou desconfiam do que está por trás, o que há na relação do suposto criminoso com o advogado de acusação.
Bom suspense. Daqueles que te surpreendem no final das contas.

Coleção: L&PM POCKET
Autor: BROWN, SANDRA
Editora: L&PM EDITORES
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA - ROMANCES
ISBN: 9788525418975
Preço: 26,00

segunda-feira, 22 de março de 2010

Lançamento Personalidades Negras

Carolina Maria de Jesus, de Joel Rufino
José do Patrocínio, de Uelinton Farias Alves
Tia Carmem, de Yara da Silva

Dia 26 de março, às 10 horas
no Espaço Cultural Eliseu Visconti
Fundação Biblioteca Nacional

Rua México, s/nº
(acesso pelo jardim)
Centro - Rio de Janeiro


Com direito a roda de samba e tudo!

Já falei aqui de dois títulos dessa coleção, Tia Carmem e Carolina Maria de Jesus. Histórias maravilhosas de pessoas que fizeram muito, brasileiras que nos enche de orgulho.

A Hora da Estrela

E lá vem a muito intensa de novo. Como o Chico, ela é outra que sabe escolher como ninguém seus títulos. E como ela é essencialmente o que escreve, sempre misturando suas emoções nas histórias que cria, a hora da estrela foi tanto para Macabéa, nossa heroína do livro, como para Clarice.
Este livro foi o último que ela escreveu e publicado pouquinho antes de sua morte. Como sempre, Clarice é palavraemoçãopura! Tudo junto assim mesmo!
Já em suas últimas obras, ela sai um pouco da linha na qual é consagrada, com textos altamente reflexivos e explosivos, e se envereda no romance puro. E foi brilhante, como sempre.
Sempre que leio este livro lembro da tão igual muito intensa Fernanda Montenegro, interpretando a personagem principal, quando da adaptação do livro em filme.
Macabéa é uma moça simples, feliz, ingênua, pura, que vive solitariamente no Rio de Janeiro, trabalha como datilógrafa em uma empresa e só. E só? Impossível.
Nos embrenhamos nessa vida simples de moça do interior nordestino com tal arroubo que nos tornamos ela, como a própria autora também diz que se sente.
Só lendo e vendo.

Beijos,

Autor: LISPECTOR, CLARICE
Editora: ROCCO
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA - ROMANCES
ISBN: 9788532508126
Preço: 20,00

sexta-feira, 19 de março de 2010

O velho e o mar

Monólogo ocorrido em pleno mar, numa canoa velha e gasta, como o próprio velho. Você sofre as dores dele, ele mesmo não se dando conta da aventura a que se lançou, sozinho.
Santiago, o velho, doce, puro, daqueles que enxergam a vida pelo seu lado mais belo.
Ele tinha um acompanhante, bem jovem, que foi proibido por seus pais de assistir o velho ao mar, também por motivo de pobreza, já que o velho estava passando por períodos de má sorte, sem conseguir trazer à beira nenhum peixe.
Ficamos com a sensação de "ah, se os pais do menino-jovem não tivessem feito essa proibição, se eles não o obrigassem a procurar outro pescador experiente para servir de assistente... ah, como eles são egoístas, tirando a única companhia do velho, que tanto já serviu a aldeia, etc.", mas logo percebemos que não é nada disso, que a necessidade tem dessas coisas, que não adianta julgar ninguém a partir de nosso próprio ponto de vista.
Milhares de lições. Todas com obrigação de serem refletidas, pelo menos.

Autor: HEMINGWAY, ERNEST
Tradutor: FERRO, FERNANDO DE CASTRO
Editora: BERTRAND BRASIL
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA - ROMANCES
ISBN: 9788528607598
Preço: 31,00

Leite Derramado...

As reticências são minhas. Este livro veio de longe, de Belém do Pará, onde uma querida amiga está morando e me enviou como empréstimo para que eu pudesse desfrutar de apenas dois dias de puro enlevo. Chico Buarque... De novo as reticências.
Um monólogo extraordinário, como não poderia deixar de ser. Um senhor centenário, em seu leito de hospital público, narra a quem estiver por perto sua saga familiar cadente.
Pra quem gosta de diálogos, já adianto que isso em nada vai alterar seu interesse pelo Sr. Eulálio. Conseguimos ler nas entrelinhas os diálogos, sua vida. Conseguimos, por sua descrição, conhecer as outras personagens intimamente. Oscilando momentos de lucidez e loucura, memórias falhas, repetidas histórias, ele vai nos revelando sua vida, seus preconceitos e ilusões. Não, gente, ele não é um mocinho ou herói, ou aquele velhinho maravilhoso que sempre tendemos a acreditar. Ele é humano, só isso. Cheio de defeitos e falhas e vícios.
E o título. Que título! Melhor resumo impossível. Ele chora, constantemente, sobre o leite derramado, que tanto nos dizem que não adianta mais.

Alguns trechos inesquecíveis:

"Mas, se com a idade, a gente dá para repetir certas histórias, não é por demência senil, é porque certas histórias não param de acontecer em nós até o fim da vida."

"Dizem que desgraça atrai desgraça, e é bom que assim seja, os baques me seriam muito dolorosos se eu já não estivesse caído."

"O ciúme é um sentimento para proclamar de peito aberto, no instante mesmo de sua origem. Porque ao nascer, ele é realmente um sentimento cortês, deve ser logo oferecido à mulher como uma rosa."

"Se soubesse como gosto das suas cheganças, você chegaria correndo todo dia."

Autor: BUARQUE, CHICO
Editora: COMPANHIA DAS LETRAS
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA - ROMANCES
ISBN: 9788535914115

terça-feira, 16 de março de 2010

A cidade ilhada

Uma graça este autor amazonense. Aqui ele mostra em vários belos contos a que veio. Uma prosa rica e leve. O vocabulário de quem é das bandas do Norte, também muito rico e bem falado.
Seus contos mesclam realidade e romance. Mostra a beleza amazônica com o olhar apaixonado de quem conhece e vive essas paragens. Fala também da atração que sua cidade exerce aos turistas, da Europa à Asia. Adorei.
Quem me indicou, disse que o livro anterior é bem legal também, mas a palavralida fica pra depois.
Boa noite!

Autor: HATOUM, MILTON
Editora: COMPANHIA DAS LETRAS
Assunto: LITERATURA BRASILEIRA - CONTOS E CRÔNICAS
ISBN: 9788535913873
Preço: 33,00

segunda-feira, 15 de março de 2010

O apanhador de sonhos

UFA! Terminei ontem. Fiquei, sinceramente, tentada a largar o livro. Mas quis ver onde ia dar. Se posso comentar algo que achei bom e interessante é a respeito de um único personagem, a eterna criança sensível Duddits, portador da síndrome de down e elo de ligação entre os quatro amigos Henry, Beaver, Pete e Jonesy.
Esses amigos seriam bons personagens também, se não fosse a forma estranha com que o autor os criou. São personagens complexos, inteligentes, mas a forma, na minha opinião, foi que estragou.
Sempre adorei livros de suspense, e mesmo de terror, mas não esse terror nojento, com criaturas alienígenas esquisitas que, ao possuir um corpo humano, o faz soltar gases terríveis. Isso mesmo, gases fedorentos e horrorosos. Aff... não gostei. Pra quem gosta do gênero, é um livro inteligente. Meio viajandão e li posteriormente que autor estava doente na época, como também cometeu a loucura de escrevê-lo à mão!!!! Achei isso surreal, um cara, em pelo século XXI, querer escrever um livro de quase 700 páginas à mão! Tudo bem, cada um com seu cada um e, com a mente que ele tem, não se pode estranhar nada.

Autor: KING, STEPHEN
Editora: OBJETIVA
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA - FICÇÃO DE TERROR
ISBN: 9788573027259
Preço: 54,90

Os crimes ABC

A querida Agatha Christie sempre se supera, juntamente com o básico Herculo Poirot. Desta vez, ele tem que desvendar um caso mais complicado, pois trata-se de um serial killer inteligente, que o desafia com cartas antes de efetuar seus crimes.
Li rapidinho, pra poder desanuviar O Apanhador de Sonhos, o qual falarei já, já.
Agatha Christie é sempre bom de ler!

Ele é arrogante, debochado, com um humor ácido terrível, mas ao mesmo tempo é sensível, bom e super inteligente. Só alguém com as mesmas características para criar tal personagem.

Coleção: L&PM POCKET
Autor: CHRISTIE, AGATHA
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA - FICÇÃO POLICIAL
ISBN: 9788525419378
Preço: 16,00

quarta-feira, 10 de março de 2010

E um pouquinho de palavracantada - Gonzaguinha

Caminhos do Coração
Gonzaguinha

Há muito tempo que eu saí de casa
Há muito tempo que eu caí na estrada
Há muito tempo que eu estou na vida
Foi assim que eu quis, e assim eu sou feliz

Principalmente por poder voltar
A todos os lugares onde já cheguei
Pois lá deixei um prato de comida
Um abraço amigo, um canto prá dormir e sonhar

E aprendi que se depende sempre
De tanta, muita, diferente gente
Toda pessoa sempre é as marcas
Das lições diárias de outras tantas pessoas

E é tão bonito quando a gente entende
Que a gente é tanta gente onde quer que a gente vá
E é tão bonito quando a gente sente
Que nunca está sozinho por mais que pense estar

É tão bonito quando a gente pisa firme
Nessas linhas que estão nas palmas de nossas mãos
É tão bonito quando a gente vai à vida
Nos caminhos onde bate, bem mais forte o coração

==================================

Ele fala, em outras palavras (aliás, amo "Outras palavras", do Caetano), que é tão bonito seguirmos na vida independentes, levando com honestidade nossa forma de enxergar o mundo, sem perder a humildade, sabendo que devemos sempre pedir ajuda quando necessário. Que ninguém é uma ilha e sempre precisamos uns dos outros. Que fazer amigos na estrada é tão importante quanto a própria estrada.

Algumas partes que me tocam mais:

"Principalmente por poder voltar
A todos os lugares onde já cheguei" - Lindo. Esse "poder voltar" vem cheio de saí com amor no coração, deixei boas marcas.

"Toda pessoa sempre é as marcas
Das lições diárias de outras tantas pessoas" - Fantástico. Nós nunca paramos para pensar dessa forma, que somos sempre as marcas das lições alheias. É tão óbvio, não? As experiências que acontecem em nosso entorno nos afeta diretamente, é a vida nos pedindo direções, caminhos, palavras, etc.

"É tão bonito quando a gente pisa firme
Nessas linhas que estão nas palmas de nossas mãos" - Isso é lindo puramente por ser tão poético. Pisar firme nas linhas das palmas. É o resumo da vida inteira. Linha da vida, do coração, do destino, e por aí vai...
Viva Gonzaguinha. Sempre maravilhoso.

Frases de Clarice...

"É curioso não saber dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo."


"Mas se eu gritasse uma só vez que fosse, talvez nunca mais pudesse parar. Se eu gritasse ninguém poderia fazer mais nada por mim; enquanto, se eu nunca revelar a minha carência, ninguém se assustará comigo e me ajudarão sem saber; mas só enquanto eu não assustar ninguém por ter saído dos regulamentos. Mas se souberem, assustam-se, nós que guardamos o grito em segredo inviolável. Se eu der o grito de alarme de estar viva, em mudez e dureza me arrastarão pois arrastam os que saem para fora do mundo possível, o ser excepcional é arrastado, o ser gritante."


"Renda-se, como eu me rendi.
Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei.
Não se preocupe em entender,
viver ultrapassa qualquer entendimento."


"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso.
Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro."


"Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
- E daí? EU ADORO VOAR!"


"Terei toda a aparência de quem falhou, e só eu saberei se foi a falha necessária."


"Na verdade, Angela...'O que me mata é o cotidiano.
Eu queria só exceções'."


"Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é
tirar essa pessoa de nossos sonhos e abraçá-la."


"- Ela é tão livre que um dia será presa.
- Presa por quê?
- Por excesso de liberdade.
- Mas essa liberdade é inocente?
- É. Até mesmo ingênua.
- Então por que a prisão?
- Porque a liberdade ofende."


"Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam."


"Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão...
que o AMOR existe, que vale a pena se doar às amizades a às
pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena!"


"Minha alma tem o peso da luz.
Tem o peso da música.
Tem o peso da palavra nunca dita,
prestes quem sabe a ser dita.
Tem o peso de uma lembrança.
Tem o peso de uma saudade.
Tem o peso de um olhar.
Pesa como pesa uma ausência.
E a lágrima que não se chorou.
Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros."

Palavralida arrastada..................

Bons dias! Farei um desabafo aqui! Stephen King deveria trocar o nome de um de seus livros. Estou agora com "O apanhador de sonhos", mas sinceramente acho que deveria se chamar "O apanhador de paciência alheia". Caramba. Estou lendo de teimosa (deve ser o ascendente em touro que me impediu de largar nas primeiras 200 páginas). Fico realmente curiosa pra saber se o final do livro será tão confuso quanto todo o resto. Como são 700, correrei com ele pra saber logo.
Li "O iluminado" e era outra coisa! Aquilo sim é um bom livro!
Bem, vou deixar para falar bem ou mal depois que terminar, ainda tenho esperança de mudar de opinião. Só precisava, realmente, desabafar um pouco. Enquanto isso vou lendo outros simultaneamente a esse pra não deixar de postar sobre palavralida.
Beijos!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Almoço com livro e moça-sentada-ao-meu-lado

Contei outro dia aqui que a-do-ro almoçar acompanhada do meu livro, né?
Pois bem. Ontem saí da livraria para almoçar lépida e fagueira e, quando estava já sentadinha, livro à frente do prato, em uma parte mega interessante, acontece algo inusitado logo na primeira garfada.

(moça sentada ao meu lado) - Que livro é esse?
(eu, meio espantada, pois não tenho muito jeito com essas situações de falar com pessoas em filas, restaurantes, etc) - O menino do pijama listrado.
(moça sentada ao meu lado) - Ah, que legal! É bom?
(eu, ah-que-legal-alguém-que-também-gosta-de-ler) - É sim, muito bom!
(moça sentada ao meu lado) - Qual o assunto?
(eu, já não acreditando que ainda não tinha conseguido ler uma única linha) - Segunda Guerra Mundial.
(moça sentada ao meu lado) - Nossa! Pensei que fosse um livro alegre!
(eu, caraca-putz-jura?) - Não, não é alegre, pelo contrário, é bem triste.
(moça sentada ao meu lado) - E por que você disse que era bom?
(eu, gente, sem comentários) - Porque não necessariamente o livro, para ser bom, precisa ser alegre!!

Hã?

O menino do pijama listrado


Adorei o livro. Simples e profundo. Belo e triste. E mais, o sujeito-seu-autor o produziu em apenas 2 dias e meio! Texto da orelha:

"É muito difícil descrever a história de O menino do pijama listrado. Normalmente, o texto de orelha traz alguma dica sobre o livro, alguma informação, mas nesse caso acreditamos que isso poderia prejudicar sua leitura, e talvez seja melhor realizá-la sem que você saiba nada sobre a trama.
Caso você comece a lê-lo, embarcará em uma jornada ao lado de um garoto de nove anos chamado Bruno (embora este livro não seja recomendado a garotos de nove anos). E cedo ou tarde chegará com Bruno a uma cerca. Cercas como essa existem no mundo todo. Esperamos que você nunca se depare com uma delas."

Hum... acho que não preciso dizer mais.

Autor: BOYNE, JOHN
Tradutor: CALIL, AUGUSTO PACHECO
Editora: COMPANHIA DAS LETRAS
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA
ISBN: 9788535911121
Preço: 34,50