terça-feira, 24 de agosto de 2010

Palavraviva

Ou seria palavravida?
Quando penso que a palavra me sustenta, no sentido mais literal possível, a primeira que me vem à mente é: obrigada! (assim mesmo, com o ponto de exclamação como se fizesse parte dela)
A palavra sustenta meu intelecto, minha vida, meus filhos, meu coração, sentimentos e emoções.
Ela sustenta minha sanidade. Ou será insanidade?
Outro dia achei interessante um movimento meu onde, lendo uma bela crítica a respeito de um filme, ao invés de pensar "quero ver", pensei "será que tem o livro?"
A força da palavra é tão imensa que cada vez mais me certifico que a gentileza deve margear cada palavra proferida e pensada e que o amor precisa estar inserido em seu núcleo de forma visceral.

Todos esses livros que leio e venho aqui trazer minhas impressões são na verdade palavra acumulada. São experiências únicas vividas da palavra interna de um autor. Por isso minha reverência a essas criaturas iluminadas, que dão vida à nossa imaginação e aquecem nosso coração. Um mega obrigada!
Postar um comentário