sexta-feira, 26 de julho de 2013

Sobre meninos e lobos

História triste, pesada, real. Cheguei à metade deste livro em 2003, quando o perdi em um hotel em Brasília. Depois de anos comprei outro exemplar para terminar a história que tinha me tocado tanto.

Jimmy, Sean e Dave eram amigos de infância. A vida os separou e, anos depois, tiveram que se reencontrar e voltar ao passado, lugar onde passaram anos querendo esquecer. Nessa infância pouco longínqua, eles estavam brincando na rua quando um carro parou e dois homens levaram Dave. O Menino que Escapou dos Lobos passou quatro dias desaparecido. Quando voltou, já não era mais a mesma pessoa. Jimmy e Sean também não o foram. Os anos passaram e eles pensavam em como teria sido suas vidas se tivessem entrado naquele carro também ou tivessem impedido que o amigo entrasse.

Já adultos, os três se reencontram em torno da morte da filha mais velha de Jimmy, assassinada brutalmente. A verdade vai se descortinando em suas vidas da forma implacável que costuma fazer quando fugimos dela.

Um livro de alta voltagem. Tenso do início ao fim. 

"... Ele acordava com medo - medo de que Katie rolasse da cama à noite, ficasse numa posição ruim e morresse sufocada; medo de que a economia do país piorasse e ele ficasse sem emprego, medo de que Katie caísse do trepa-trepa na escolinha na hora do recreio; medo de que ela quisesse alguma coisa que não pudesse lhe dar; medo de que sua vida continuasse naquele carrossel de medo, de amor e de exaustão, para sempre."

"A gente sente essas coisas no fundo da alma, em nenhum outro lugar. Às vezes, a gente sente a verdade confusamente, para além de qualquer lógica, e em geral se tem razão, sobretudo quando se trata de uma verdade que não se quer admitir e que não se tem certeza de poder enfrentar. Aí a gente tenta ignorar, procura um psiquiatra ou passa longas horas nos bares, embrutecendo-se na frente da televisão - só para tentar escapar dessas verdades duras demais, feias demais, que a alma intuiu bem antes de a razão se dar conta."


Autor: LEHANE, DENNIS
Tradutor: MACHADO, LUCIANO VIEIRA
Editora: COMPANHIA DAS LETRAS
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA - FICÇÃO POLICIAL

terça-feira, 9 de julho de 2013

A revolução dos bichos

Por Bruna Bonfeld


Eric Arthur Blair, com o pseudônimo de George Orwell, nos conta sobre "A Revolução dos bichos", uma obra literária em forma de fábula, sobre bichos que, cansados da tirania dos humanos, que os maltratava e inferiorizava, resolvem fazer uma revolução, em busca da autonomia de todos os animais.

Essa revolução, prevista pelo sábio e respeitado porco da Granja do Solar de fato acontece e os bichos saem vencedores. Entretanto, o lema "duas pernas ruim, quatro patas boas" é substituído por "alguns animais são mais iguais que outros". 

O livro é uma crítica ferrenha ao ideal comunista. Crítica ferrenha e inteligente, para fácil compreensão de que a busca e a sede pelo poder sempre ocorrerá. 

Apesar de poder ser lido por um público leigo, o livro privilegia aqueles que têm algum conhecimento histórico sobre Revolução Russa.

Autor: ORWELL, GEORGE
Editora: COMPANHIA DAS LETRAS
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA - ROMANCES